sábado, setembro 25, 2004

a caixinha... do yoGa

oLix malta do blog!!

Eu sou o benjaMin; o benjaMin feito carpinteiro:)))
Bem, não podia deixar de iniciar a minha participação sem falar de um assunto tão "caro" para o nosso amigo Rui: a caixa do yoGa!! E isto tudo para dizer que a dita cuja está de pé (pelo menos da última vez que eu e o Sardo a vimos estava!!) e há-de estar por muitos mais anos!!! Foi de facto um autêntico "papelinho" construir aquela coisa, desde a compra de material, à ferramenta passando pelo melhor método de fixar a madeira e terminando na melhor forma de disfarçar a falta de beleza da caixinha, tudo isso deu muito que falar e felizmente também muito que rir:)))
Diverti-me imenso naquelas 2 horas e meia de vida de carpinteiro, acompanhado claro do mestre Sardo que também se desenrascou muito bem, estamos até a pensar em abrir uma carpintaria e cobrar 600euros por cada caixa (o mesmo valor que cobramos ao núcleo de yoGa praticamente).
Depois vou tentar fotografar a "verdadeira" e mandar-ta pó email ó Ruizinho para assim te poderes roer de inveja por não te teres podido rir tanto à custa imagina... de uma caixa!!!!!! Há coisas que não se explicam e a partir de agora eu conheço uma delas! Garantidamente.

sexta-feira, setembro 24, 2004

Yes!

Eu sei que isto não interessa nada, mas ontem fomos a um chinês comer noodles (de arroz, daqueles mais fininhos, sim, desses) e eu comi com os pauzinhos!!!YES! YEAH!
Brigado pela lição, Ruizito. Senti-me na maior. Ehehehe...

segunda-feira, setembro 20, 2004

Portugal ao espelho

Às vezes, sem contar, por milésimos de segundo, passamos num espelho ou vidro e vemos um reflexo que só depois percebemos que é o nosso. Sorrimos com a situação. Às vezes não!
No sábado à noite, no "Cantinho de Portugal", em plena Londres, vi o país ao espelho. Demorei um bocadinho a tomar consciência... Somos kitch, uma série cómica, desarrumada, bem disposta mas preguiçosa, melancólica...não sei explicar...mas vi Portugal ao espelho e sorri!!!

quarta-feira, setembro 15, 2004

Pormenores

Cheguei ontem... e o meu Ruizinho é mais magro que na minha imaginação! E sempre lindo. A expressão do olhar quando o vi era familiar. Parecia um puto que se quer agarrar mas a nós mas está com medo da reacção (eu às vezes sou uma bruxa má!).
Depois, ele foi pagar o parque na máquina e eu fiquei ali a guardar a mala e a olhar. Sempre muita, muita gente a passar. A vida não parava, estava aquela luz de fim de tarde e os carros com as luzinhas vermelhas fizeram-me sorrir.
Gosto de guardar as sensações destes pequenos momentos que não interessam nada e fazem a vida tão especial.

segunda-feira, setembro 13, 2004

(Ex)Citação V

"Experience is not what happens to you. It is what you do with what happens to you"
Aldous Huxley

(escrito a giz num placar em Neal's Yard em Londres)

quarta-feira, setembro 08, 2004

Um sonho

Um dia destes sonhei que era feliz.

Sonhei que, eu e a Cláudia, vivíamos perto do mar - como diz a Dido (em “Life for Rent”) “I would love to live by the sea” e “live more simply” - numa casa feita de madeira. Essa casa era simples como Jampa Ling. Tinha um quintal onde plantava umas batatas, couves e umas ervas aromáticas. Colhia o que comia. Comia pouco mais do que colhia.

Nas casas em volta, também de madeira, viviam amigos que connosco partilhavam o quintal. E ao fundo ficava um braço da ria de Aveiro e umas canoas. Na garagem as bicicletas. Um alpendre e uma rede. Uma cadeira de baloiço. Muitos livros. Um pôr-do-sol.

Havia também uma casa vazia. Uma casa com quartos, uma cozinha e uma sala vazia. Nessa sala praticávamos Yoga, meditávamos ou simplesmente estávamos. Como diria o Dr. Amaral Dias (do programa da TSF, com o Dr. Carlos Magno, "Freud e Maquiavel") uma das palavras mais bonitas do português é “Espairecer”. E espairecer, ali era o mais normal. Mas, essa casa faria as vezes da Tara House em Jampa Ling, albergaria não residentes que quisessem participar em workshops, cursos ou apenas quisessem gozar o lugar.

Eu dava uns cursos de fotografia. Se no entretanto não abraçasse o yoga e decidisse tirar o curso de professor. Ou mesmo outra coisas qualquer, como Pilates ou Balance. Fazia tatuagens. Mas continuaria a trabalhar e ia na minha Vespa para o trabalho (era longe de bicicleta). Uma 50s comprada num ferro velho, recuperada e pintada de vermelho. Também, finalmente tinha tido tempo para limpar, arranjar e pintar aquela pasteleira que tenho nos arrumos. Pintava!

Tinha umas vinhas e de vez em quando fazia cerveja artesanal. Os meus amigos tinham sempre onde ficar se quisessem aparecer. Eram sempre bem vindos.

Mas como também diz a Dido, na mesma música, “I haven't ever really found a place that I call home I never stick around quite long enough to make it”. Será?

sexta-feira, setembro 03, 2004

Friday Night Fever

Bem vindo sejas Long Paranoia (LP). Luís Pitta para os amigos, o do bichinho das viagens. Bem vindo ao clube do blog.

Sexta à noite, em princípio de mês, na terra dos bifes. Já não tenho pachorra para aturar isto. Estes gajos emborracham-se como teenagers. Hoje eram os anos do Freddy e bebi umas pints (e uns licores marados que me deram for free). Amanhã há BBQ em casa do Freddy com o Parente e a Fátima.

A Cláudia conseguiu a licença e vem para a semana.

Eu vou dormir (está um alarme, lá fora, a tocar desde as 6h).

quinta-feira, setembro 02, 2004

O bicho mordeu-me!

O bicho mordeu-me!
Parte 1

Pois é, fui mordido quando era pequenino pelo bicho das viagens.
Não sei o que me faz viajar tanto, só pode ser o bicho...
Só sei que gosto.
Gosto e viajo muito.
Viajo acompanhado ou sozinho, isso não importa.
Viajo mais sozinho, por falta de companhia no inicio, agora por prazer mesmo.
Viajo primeiro dentro da minha cabeça, a seguir dou por mim a 10 mil quilómetros de casa.
Não tenho saudades da minha terra natal.
Lá fora sinto-me tão bem como "cá dentro".
"Cá dentro" tudo parece ficar em sintonia.
O cansaço físico provoca um descanso mental.
A mente, essa, precisa de descansar, o corpo, esse, pode andar dorido, isso não é importante.
Sou uma pessoa diferente depois de uma viagem. Não deixo de ser eu, mas diferente: "Same, same but different", percebem? E é tão bom. Tão bom que a expressão verbal é somente uma pálida imagem do que realmente sinto. Sentir e verbalizar o que se sente é tão, tão diferente. O verbo é redutor, o sentir é resplandecente. Mas até descobrirmos outra forma de comunicar o que sentimos, ficamos pelo aviso e pelo lamento.
(...)


quarta-feira, setembro 01, 2004

(Ex)Citação IV

"Is it better to try and fail, then to never try at all and spend the rest of your life wandering what would've happened if you had?"
Ted McKeever

(de "A Life Less Empty" - uma história em banda desenhada do Matrix)

LP-&-3P Tours Lda. - Dia 33 e 34

Viva lindos!!!

[Dia 33] - 30 Agosto 2004 - Londres

Londres de novo!!!
Foi um dia longo: 7 da manhã Colombo. 10 da manhã Abi Dhabi. 5 da tarde Londres.
Jet Leg a dar-me cabo do físico!!!
Hotelzinho 55 Libras com todas as comodidades mas do tamanho de uma caixa de fósforos. Só o dobro do preço do melhor hotel de 5 estrelas que ficamos em Kitulgala (ver mail anterior)!!! Estamos em Londres LP. Acorda!!!


[Dia 34] - 31 Agosto 2004 - Londres

Lisboa!
Já chegámos?

Onde estamos? Que cidadezinha simpática...
O gajo do taxi até fala Português! Euros!
Caril. Preciso de uma arrufada de caril. O meu corpo está carente de caril... Depressa!!!

Vou dormir. Já não digo nada de jeito e amanhã, podem não acreditar, mas trabalho!!!

Abraços a TODOS,
"LP & 3P - The curry lovers!!!"

LP-&-3P Tours Lda. - Dia 23 e 31

[Dia 23] - 20 Agosto - Ella (Hill country)
Viva a todos,

Continuo com ligações lentas e caras!!!
a vida em Ella passa-se devagarinho.
Os atrasos dos comboios medem-se em quartos de dias!
As vistas de montanha são deslumbrantes.

Ella fica na zona do interior montanhoso do Sri Lanka.

[...]; Eu por cá já começo a ressentir do arroz e do caril. Estou a ficar um pouco cansado da porra do caril em tudo. Ontem deram-me uma bebida gaseificada com gengibre e caril. [...]

Por agora é montanha, depois logo se vai ver.

Love,
LP e 3P, The Adventurous Manbo Company Inc.!


[Dia 31] - 28/Ago/2004 - Colombo again!!!

Innnnterneeeeeeeeeeeeeeeeeeeet yyyyeesssssssssssssss
Até que enfim!!!
Estamos de novo ligados ao mundo inter-galáctico... da comunicação etheriana.
Já estávamos com saudades de umas tecladas valentes.

Colombo. Again e sempre, raios!
De regresso a uma das capitais mais desinteressantes que tivemos o (des)prazer de conhecer.
Bem, também nem tudo é assim tão mau. Estivemos no Gallery Cafe (http://www.worldsbestbars.com/city/Colombo/) que é um espaço óptimo para uma cerveja de gengibre e um momento de relaxe no meio desta cidade marada.

Relatos da viagem existem sempre muitos: a maioria com alguma piada. Seria muito interessante se conseguíssemos manter o diário de ferias actualizado, pois é tão fácil esquecer a maioria das peripécias, não é, viajantes: [...]?

O super difícil Rafting (3P), melhor dizendo o mini rafting de introdução à introdução ao Rafting (LP) deu para assustar muito (3P), lavar as costas (LP), e meter muito medo (3P), de dar uma soneira (LP), de ver bichos enormes do tipo lagarto pré-histórico (3P), lagartixas do tipo geko gigante (LP, ok tinha mais de 1 metro). OK. foi um raftingzinho animado que durou 45 minutos!!! com direito a 6 rápidos de classe 2, 2+ dificílimos (3P) quase parecidos com o Apurimac River (Peru, Classe 5) (LP). O LP fala fala e é muito forte, mas no outro dia andou ao berros no quarto por causa de uma baratinha que lhe subiu pela perna acima. Pois pois a baratinha tinha quase 2 centímeeeetros (LP) e voava e quando morreu fez um estrondo do tipo CRRRRAAAAKKKKK. e saiu um liquido verde corrosivo que furou o chão da guest house - palavra de LP acagaçado.

E daquela vez no outro dia que fomos a farmácia pedir uma pomada para aliviar as dores das picadas dos mosquitos! Saímos de lá todos satisfeitos com uma belíssima pomada para as hemorróidas!!! Juro-vos que é verdade, não bebemos nem fumamos nada antes!

Verdade seja dita já nem temos uma coisa nem outra! (na verdade das segundas nunca chegamos a ter, apesar da porra do picante omnipresente na porra da vida destes indígenas...!!!)

Diarreias: Só 2 ou três vezes (por semana). Mentira!!! Aconteceu mas pouquinhas vezes mais ao LP do que à 3P.

Febres: Somente o caguinchas do LP é que teve no outro dia um ligeiro aquecimento - 38 Graus Centígrados à sombra. Fomos ao hospital (mais parecia uma barraca das feiras, com um tipo lavadinho e simpático a receitar paracetamol aqui ao LP, num pequeno papel que mais parecia higiénico. Verdade seja dita que após 12 horas fiquei mesmo sem febre (LP). Boa onda!

Prisão de ventre: Falem com a 3P. Isso é o departamento dela. Agarradinha!!!

Escorbuto: Ainda não!!! Uffa!

Vómitos: Nada! Só mesmo nojo (3P). LP dá-me um kleenex para limpar os meus dedinhos... Obrigada. Apanhamos cada uma (LP)!!

Transportes públicos: INVARIAVELMENTE cheios. E cheios quer dizer que não sobra espaço para colocar sequer a sandália que a Asia consagrou [...], no chão. Um pézinho vai no ar o outro vai mal pousado, o braço esquerdo agarra-se ao banco da frente, o bracinho direito estica-se para chegar à m*rda do varão que está alto comó caraças, entre os 2 braços conseguimos ter uns 4 ou 5 Srilanqueses agachados a cheirar a catinga local (a diferença está somente na quantidade de caril que comem... Huummm que cheirinho!!). Com licença e se faz favor, não se usam. Fucangar e passar à frente é prato do dia. Sorrisos desdentados também é comum: é isso que os vai safando. Viva o Sri Lanka. Gandas malucos!!!

Vamos hoje divertir-nos à grande na nossa ultima noite em Colombo. Vai ser de gritos!!! AAAAAAAAAAAAAAAAAaaahhhhhmanhã contamos!!!

Por falar em amanhã: Vamos para Negombo, depois de amanha será Londres... depois não sabemos, talvez Bangladesh! Já que o dollar sobe o bangla... OK. sei que é velha mas apeteceu-me!!

Love,
"LP & 3P - The Dream Company, Inc."