terça-feira, novembro 30, 2004

A vida de Luka - Dia 2

O gato(a) miou muito durante a noite. Cada vez que se ouvia um barulho ele(a) miava. Mas não eram só saudades da mãe! Era fome... De manhã comeu quase uma lata de Whiskas!

Cagou mais vezes do que comeu. Deve ser nervoso! Mas foi sempre cagar e mijar à caixa que a Cláudia lhe fez, com uns polímeros que repelem os odores. Eu estou responsável por remover a caca para o lixo! Um trabalho nojento, mas necessário para a qualidade de vida de todos os habitantes da casa.

Já não mia e já brinca. Dormiu a tarde toda nas almofadas da sala e no colo da Cláudia. Eu sou um dono desnaturado, nem consgui estar ainda cinco minutos com ele(a) e ainda por cima foi para lhe cortar as unhas.

O Presidente da República finalmente dissolveu o Parlamento e deverá convocar eleições legislativas antecipadas para Fevereiro de 2005. Viva a democracia! É bom ver que as instituições democráticas ainda funcionam!

Os hinos dos partidos vão misturar-se com as músicas de Natal! O Pai Natal não vota!

segunda-feira, novembro 29, 2004

A(o) Luka

Calou-se! Até amanhã!

O(a) Luka

Está a miar outra vez...

A vida de Luka - Dia 1

Hoje passámos a ser três cá em casa. Adoptámos um gato (que ainda não sabemos se é gata). Ainda não temos nome para ele(a) mas por agora fica Luka.

O coitado do bicho foi arrancado à mãe numa tenra idade e vai passar a sua primeira noite, em nossa casa, a miar.

Já se calou...

sexta-feira, novembro 26, 2004

Fiquei sem palavras...





















Obrigado!

Obrigado eu também

Gostei de ter aqui, e como sabes, a porta de casa tá sempre aberta...
Orbigado pelo apoio que também me deste, pela companhia e pela maneira diferente de pensar. E claro pela paciência para as conversas e desabafos.

O facto de ter andado por fora já lá vão 7 anos têm-me feito ver muita coisa, muitas maneiras de pensar e culturas. Mas a tua estadia cá acabou por confirmar aquilo que eu já sabia, que não há nada melhor do que ter um amigo por perto com quem falar e desabafar e partilhar coisas da vida.

Adorei trabalhar contigo, e confesso que ainda tenho esperanças de virmos a trabalhar juntos novamente, sejam no meu novo "poiso" ou no projecto que ando a desenvolver ou noutro lado qualquer. Digo que é um prazer trabalhar contigo.

E claro que tambem queria agradecer à Cláudia pela companhia, pelas conversas e amizade... Adorei a mensagem dela de chegada a Heathrow em Setembro e tenho gravado na memoria uma pequena frase que ela disse no domingo em que vôces chegaram da Irlanda, e em que fiz um jantarzito, e quando vôces iam para casa, a Cláudia à porta de saída, virou-se para mim, e disse "És um anjo...". São estas pequenas coisas simples que me fazem alegre... Orbigado...

E nao vou deixar de dizer que a teu obrigado acabou por colocar tambem umas lágrimas nos olhos de contente...(sou um pouco assim como já deves saber)...

Mas penso e espero que isto não seja o fim, acho que temos de ver se te mantemos a escrever as crónicas...E claro olhando já para o futuro imediato sugiro umas crónicas acerca da entrada na tua vida de um gato. Garanto que vais ter muita coisa para escrever sobre o gato... É só uma sugestão...

Fico por aqui, mas vamo-nos mantendo em contacto...

derF

quinta-feira, novembro 25, 2004

O que interessa o que eu acho?

Sabem o que eu acho? O D. Sebastião já não volta! Também ele emigrou...

O Vespertino de Reading : : : O Fim (Obrigado)!

Viva,

A direcção d'O Vespertino de Reading lamenta informar os seus leitores habituais e ocasionais que a publicação se vê obrigada a fechar a sua redacção por falta de matéria publicável. Com a deslocação do corpo editorial, para Aveiro, deixou de ser coerente manter o nome da publicação. Assim, é com alguma tristeza que faz saber que esta será a última crónica d'O Vespertino de Reading.

Porém o director d'O Vespertino de Reading gostaria de aproveitar este momento para agradecer aos seguintes particulares, individualidades e organizações todo o apoio dado de modo a tornar possível a edição deste (a)periódico durante os últimos três meses e meio.

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao Frederico Costa que sem o seu apoio, empenho e esforço, esta aventura por terras de Sua Majestade não teria sido possível. Além disso, como leitor, incentivou sempre a publicação deste vespertino. A sua casa esteve sempre aberta e serviu de abrigo quando o apartamento da West Street deixou de ser a nossa residência em Reading. Obrigado também à Gisela por nos ter recebido e aturado. E ao Muffley que fez com que em breve exista, também, um gato em minha casa.

A todos os que no DED/NEC Portugal e na NEC Technologies (UK) que permitiram e tudo fizeram para que a estadia no Reino Unido tenha acontecido e decorrido sem grandes sobressaltos.

À Cláudia por me ter incentivado a empreender em mais esta aventura e me ter acompanhado. Aos meus pais por me permitirem ser aquilo que eu escolhi ser e que sou hoje. Aos meus sogros por me apoiarem e suportarem.

Ao Paulo, Edgar e Miguel que nos emprestaram uns metros quadrados de alcatifa em Brixton durante uma série de fins-de-semana sem nunca pôr qualquer tipo problemas e sempre de braços abertos. Espero que os ovos moles e o vinho vos saiba tão bem como a mim me soube o calor e silêncio da vossa sala. Obrigado pelas festas e almoços entre amigos. Para eles também o meu obrigado!

Ao Miguel Braga, mesmo que por vezes prefira dormir a atender o telefone, mas que foi sempre uma alma amiga num mundo que nos é sempre estranho. Um sonhador nato que faz com que o mundo avance. Obrigado pela bela aventura inolvidável de dormir num museu em Londres.

Ao Miguel Monteiro pelas experiências turísticas que doutra maneira jamais iria experimentar, como andar de riquexó por Soho. Obrigado por me mostrares que sermos nós próprios é mais importante que qualquer outra coisa na vida. E que as barreiras são para se derrubarem

Ao Pedro Soares e à Ana pelo excelente casamento e pela oportunidade de voltar a estar com uma enorme quantidade de amigos ao mesmo tempo. Obrigado a eles também!

Ao David Gaukrodger e à Sairung, ao Luís e à Cátia, ao Parente e à Fátima, ao Ken e à Sue, ao Luís Alves e, ao Miguel Mira da Silva, pela companhia em magníficas noites em volta de uma mesa para um copo ou uma refeição.

À Cristina por ser a nossa Guru e nos incentivar a procurar o nosso caminho no yoga sem nos colocar barreiras. Obrigado à Elena, Deidre e Mary pelas excelentes aulas de yoga que fizemos, semana após semana, e que me levaram a ter uma melhor consciência de mim. Obrigado à Veronika também.

Obrigado ao Desmond que nos recebeu em Jampa Ling de coração aberto.

Ao PP que com o empréstimo da sua Vespa fez com que o meu retorno fosse mais fácil.

A todos os que me escreveram durante este tempo e que de alguma maneira tentei homenagear na primeira página d'O Vespertino de Reading (se me esqueci de alguém peço desculpa). Obrigado por me fazerem perceber que não estava só a escrever para mim. Espero que tenham aprendido, também, alguma coisa com as crónicas.

A todos os leitores que (ainda) lêem esta frase, pois se escrever faz bem, na verdade se ninguém lesse não havia razão para escrever, também.

Ao Adolfo Lúxuria Canibal por me ter dado um autógrafo, no aeroporto, quando retornava a Inglaterra em Outubro.

Obrigado!

segunda-feira, novembro 08, 2004

Sonhos

Fernando Pessoa escreveu "Deus quer, o homem sonha, a obra nasce" e se "Deus está dentro de ti" como se diz em todas as religiões, só depende de nós a criação da obra.

Será por isso que as obras em Portugal demoram tanto a ser feitas? Porque não depende só de nós ou porque não sonhamos!?

Eu sonho, mas a maioria das vezes fico frustrado porque os meus sonhos nunca se realizam. Não sonho coisas grandes, mas mesmo as mais pequenas acabam por raramente se realizar. É mau sonhar!?

António Gedeão escreveu "... sempre que um homem sonha, o mundo pula e avança, como bola colorida entre as mãos de uma criança".

terça-feira, novembro 02, 2004

Novíssima Cartilha Ilustrada

Este sábado, dia 06 de Novembro, em Coimbra, no Café Santa Cruz, pelas 18h00, é lançada a Novíssima Cartilha Ilustrada, cujos textos são do Rodrigo, um velho lobo do mar.

Novíssima Cartilha Ilustrada - Mandem Cartilhas para as ilhas!

A apresentação é feita pelo Rui Zink. Se eu pudesse não faltava!